PUBLICIDADE
Topo

Mulheres e suas histórias foram as grandes vencedoras do Globo de Ouro 2018

Frances McDormand recebe o Globo de Ouro de melhor atriz de drama por "Três Anúncios para um Crime" - Paul Drinkwater/NBC via AP
Frances McDormand recebe o Globo de Ouro de melhor atriz de drama por "Três Anúncios para um Crime" Imagem: Paul Drinkwater/NBC via AP

Beatriz Amendola e Natalia Engler

Do UOL, em São Paulo

08/01/2018 02h41Atualizada em 08/01/2018 14h54

Já era esperado que os casos de assédio e abuso sexual que dominaram Hollywood nos últimos meses dessem o tom do Globo de Ouro 2018, com praticamente todos os convidados vestindo preto em protesto, mas o tema acabou inspirando também as escolhas dos membros da Associação dos Jornalistas Estrangeiros de Hollywood.

Grande parte dos vitoriosos tinha uma coisa em comum: eram produções criadas por mulheres ou protagonizadas por mulheres que têm que enfrentar diversos tipo de dificuldades por serem mulheres.

O grande vencedor da noite nas categorias de cinema, "Três Anúncios para um Crime" acompanha uma mãe (Frances McDormand) amargurada depois do assassinato de sua filha, que luta por justiça e decide colocar outdoors na entrada da cidade para cobrar a polícia. O longa levou os prêmios de melhor filme de drama, melhor atriz (McDormand), ator coadjuvante (Sam Rockwell) e roteiro.

Vencedor das estatuetas de melhor filme de comédia ou musical e de melhor atriz de comédia ou musical (Saoirse Ronan), "Lady Bird: A Hora de Voar" também é centrado na história de uma mulher, dessa vez uma jovem (Ronan) que está no último ano da escola e tem uma relação turbulenta com sua mãe, que é contra a ideia de ela deixar sua cidade para fazer faculdade.

"Lady Bird" era também a única entre as dez produções indicadas a melhor filme dirigida por uma mulher, Greta Gerwig, que não chegou a ser indicada na categoria de direção, dominada por homens. O fato não passou despercebido: "Aqui estão todos os homens indicados", disse a atriz NataliePortman, ao anunciar a categoria. O prêmio ficou com Guillermo del Toro, por "A Forma da Água".

Até hoje, somente uma mulher ganhou o Globo de Ouro de direção em 75 anos, Barbra Streisand em 1984 por "Yentl". Ao apresentar a categoria de melhor filme de drama, Streisand fez questão de pontuar que já faz quase 35 anos desde que isso aconteceu, e que está mais que na hora das coisas mudarem, porque "há filmes incríveis dirigidos por mulheres". "Tenho orgulho de estar em uma sala com pessoas que se manifestam contra a desigualdade de gênero e a mesquinharia que tomou conta da nossa política", concluiu.

Greta Gerwig, diretora de Lady Bird, discursa após o filme ganhar o Globo de Ouro de melhor comédia ou musical -  Paul Drinkwater/Courtesy of NBC/Handout via REUTERS -  Paul Drinkwater/Courtesy of NBC/Handout via REUTERS
Greta Gerwig, diretora de Lady Bird, discursa após o filme ganhar o Globo de Ouro de melhor comédia ou musical
Imagem: Paul Drinkwater/Courtesy of NBC/Handout via REUTERS

Mulheres roubaram a cena na TV

Nos prêmios de TV, também predominaram as histórias sobre as mulheres e seus problemas. “Big Little Lies”, a principal vencedora das categorias de TV, acompanha as vidas de um grupo de mulheres em uma cidade abastada do litoral da Califórnia e toca em temas como relacionamentos abusivos e violência doméstica -- este representado por uma atuação cativante de Nicole Kidman.

Baseada no livro homônimo de Liane Moriarty, a série que surgiu como um projeto da atriz ao lado da amiga Reese Whiterspoon triunfou com quatro prêmios: melhor minissérie, ator coadjuvante (Alexader Skarsgard), atriz coadjuvante (Laura Dern) e atriz (Kidman). Whiterspoon, uma das idealizadoras da iniciativa Time’s Up, resposta contra os casos de desigualdade em Hollywood, aproveitou seu tempo no palco para passar uma mensagem para as vítimas: “Quero agradecer a todas que quebraram o silêncio e revelaram seus abusos. Vocês são muito corajosas. O tempo acabou. Nós estamos vendo vocês e vamos contar suas histórias”.

O prêmio de melhor série dramática foi para “The Handmaid’s Tale”, retrato de um futuro distópico em que as mulheres são sistematicamente estupradas e relegadas ao papel de parideiras em nome de Deus (e do Estado). Assombrosamente atual, a produção serviu de inspiração para protestos contra restrições aos direitos reprodutivos das mulheres nos Estados Unidos e tem sido usada constantemente como referência do que pode acontecer em uma sociedade cada vez mais dominada por radicalismos. 

Citando o livro no qual a produção se baseia, "O Conto da Aia", de Margaret Atwood, ao aceitar o prêmio de melhor atriz de série dramática, Elizabeth Moss elogiou as mulheres que tiveram coragem de denunciar seus abusadores e concluiu: "Não vivemos mais nos espaços vazios e brancos no canto da imagem. Não vivemos mais nos vãos das histórias. Nós somos as histórias e estamos escrevendo as histórias nós mesmas". 

Na categoria de comédia, ganhou a açucarada “The Marvelous Mrs. Maisel”, sobre uma dona de casa judia da Nova York dos anos 1950 que descobre um talento para a comédia stand-up e resolve perseguir a carreira em uma época em que isso mal era opção para mulheres. A série da Amazon também levou a estatueta de melhor atriz de série de comédia ou musical, para Rachel Brosnahan, que lembrou que "ainda há muitas histórias de mulheres que precisam e merecem ser contadas".

"Big Little Lies" - Getty Images - Getty Images
Laura Dern, Nicole Kidman, Zoey Kravitz, Reese Witherspoom e Shailene Woodley comemoram os Globos de Ouro vencidos pela série "Big Little Lies"
Imagem: Getty Images

Discursos

Comentários sobre assédio, abusos e desigualdade também pontuarem quase todos os discursos dos vencedores e apresentadores, a começar pelo anfitrião da noite, Seth Meyers. Em seu monólogo de abertura, ele deu nomes aos bois ao citar as denúncias que varreram Hollywood no fim de 2017, e não hesitou em pegar pesado.

"Boa noite senhoras e senhores que sobraram", começou Meyers. "Harvey Weinstein não está aqui. Não se preocupe, ele voltará em 20 anos quando se tornará a primeira pessoa a ser vaiada na sessão 'in memoriam", disse Meyer, em relação ao produtor acusado de estupro e assédio. Em outro momento, ele atacou Trump, citando que o Globo de Ouro é entregue pela imprensa estrangeira em Hollywood. "Três palavras que o presidente Trump não gosta: Hollywood, Estrangeiro e Imprensa." Kevin Spacey também foi lembrado por sua predileção por garotos menores de idade e sobraram críticas até para o sotaque de seu personagem na série "House of Cards".

Ao subir ao palco para agradecer seu prêmio de melhor atriz dramática, Frances McDormand também alfinetou Trump ao dizer que não conhecia as caras dos membros da Associação dos Jornalistas Estrangeiros de Hollywood, mas que eles mereciam crédito porque "conseguiram eleger uma presidente mulher.”

Mas o destaque mesmo foi a fala da apresentadora Oprah Winfrey, homenageada com o prêmio Cecil B. DeMille pelo conjunto de sua carreira. Ela emocionou seus colegas presentes com um discurso que lembrou símbolos da luta pelos direitos civis, mulher anônimas que sofreram violência e ainda decretou que o tempo dos homens que aproveitam de seu poder para abusar de mulheres acabou. 

"Por tempo demais, as mulheres não foram ouvidas ou receberam crédito quando ousaram falar a verdade sobre esses homens poderosos, mas o tempo deles acabou", disse Oprah, citando o slogan do movimento Time's Up, criado para dar apoio a vítimas de abuso e assédio sexual, e presente na cerimônia nos pins usados por grande parte dos convidados.

"Quero que todas as meninas assistindo hoje saibam que um novo tempo se aproxima! E quando esse dia finalmente chegar, vai ser por causa de muitas mulheres incríveis, muitas das quais estão aqui nesta sala hoje, e alguns homens fenomenais lutando para se assegurar que elas se tornem as líderes que nos levarão a um tempo em que ninguém mais tenha que dizer 'eu também'", continuou, citando a campanha que tomou as redes sociais, com mulheres dividindo suas histórias de assédio e abuso.

Com tudo isso, o Globo de Ouro deste ano passou longe do clima descontraído e brincalhão que a premiação costuma ter, e abraçou com força a causa da igualdade de gênero e do fim da violência sexual. Temas, aliás, que devem continuar dando o tom da temporada de premiações até o Oscar, em março.

Oprah Winfrey fez um discurso emocionante no Globo de Ouro 2018 - Getty Images - Getty Images
Oprah Winfrey fez um discurso emocionante no Globo de Ouro 2018
Imagem: Getty Images

Veja a lista de vencedores:

CINEMA

Melhor Filme de Drama

  • VENCEDOR: “Três Anúncios para um Crime”
  • “Me Chame pelo seu Nome”
  • “Dunkirk”
  • “The Post - A Guerra Secreta”
  • “A Forma da Água”

Melhor Diretor

  • VENCEDOR: Guillermo del Toro, “A Forma da Água”
  • Martin McDonagh, “Três Anúncios para um Crime”
  • Christopher Nolan, “Dunkirk”
  • Ridley Scott, “Todo o Dinheiro do Mundo”
  • Steven Spielberg, “The Post - A Guerra Secreta”

Melhor Atriz Coadjuvante

  • VENCEDORA: Allison Janney, “Eu, Tonya”
  • Mary J. Blige, “Mudbound - Lágrimas Sobre o Mississipi”
  • Hong Chau, “Pequena Grande Vida”
  • Laurie Metcalf, “Lady Bird - A Hora de Voar”
  • Octavia Spencer, “A Forma da Água”

Melhor Ator Coadjuvante

  • VENCEDOR: Sam Rockwell, “Três Anúncios para um Crime”
  • Willem Dafoe, “Projeto Flórida”
  • Armie Hammer, “Me Chame pelo seu nome”
  • Richard Jenkins, “A Forma da Água”
  • Christopher Plummer, “Todo o Dinheiro do Mundo”

Melhor Atriz em Filme Dramático

  • VENCEDORA: Frances McDormand, “Três Anúncios para um Crime”
  • Jessica Chastain, “A Grande Jogada”
  • Sally Hawkins, “A Forma da Água”
  • Meryl Streep, “The Post - A Guerra Secreta”
  • Michelle Williams, “Todo o Dinheiro do Mundo”

Melhor Ator em Filme Dramático

  • VENCEDOR: Gary Oldman, “O Destino de uma Nação”
  • Timothée Chalamet, “Me Chame pelo seu Nome”
  • Daniel Day-Lewis, “Trama Fantasma”
  • Tom Hanks, “The Post - A Guerra Secreta”
  • Denzel Washington, “Roman J. Israel, Esq.”

Melhor Filme de Comédia ou Musical

  • VENCEDOR: “Lady Bird - A Hora de Voar”
  • “Artista do Desastre”
  • “Corra!”
  • “O Rei do Show”
  • “Eu, Tonya”

Melhor Atriz em Comédia ou Musical

  • VENCEDORA: Saoirse Ronan, “Lady Bird - A Hora de Voar”
  • Judi Dench, “Victoria e Abdul - O Confidente da Rainha”
  • Margot Robbie, “Eu, Tonya”
  • Emma Stone, “A Guerra dos Sexos”
  • Helen Mirren, “The Leisure Seeker”

Melhor Ator em Comédia ou Musical

  • VENCEDOR: James Franco, “Artista do Desastre”
  • Steve Carell, “A Guerra dos Sexos”
  • Ansel Elgort, “Em Ritmo de Fuga”
  • Hugh Jackman, “O Rei do Show”
  • Daniel Kaluuya, “Corra!”

Melhor Trilha Sonora Original

  • VENCEDOR: "A Forma da Água" (Alexandre Desplat)
  • "Três Anúncios para um Crime" (Carter Burwell)
  • "Trama Fantasma" (Jonny Greenwood)
  • "The Post: A Guerra Secreta" (John Williams)
  • "Dunkirk" (Hans Zimmer)

Melhor Canção Original

  • VENCEDORA: “This Is Me”, "O Rei do Show" (Benj Pasek, Justin Paul)
  • “Home”, "O Touro Ferdinando" (Nick Jonas, Justin Tranter, Nick Monson)
  • “Mighty River”, "Mudbound - Lágrimas Sobre o Mississipi" (Mary J. Blige, Raphael Saadiq, Taura Stinson)
  • “Remember Me”, "Viva - A Vida É uma Festa" (Kristen Anderson-Lopez and Robert Lopez)
  • “The Star”, "A Estrela de Belém" (Mariah Carey, Marc Shaiman)

Melhor Filme em Língua Estrangeira

  • VENCEDOR: "Em Pedaços" (Alemanha/França)
  • "Uma Mulher Fantástica" (Chile)
  • "First They Killed My Father" (Camboja)
  • "Loveless" (Rússia)
  • "The Square - A Arte da Discórdia" (Suécia, Alemanha, França)

Melhor Animação

  • VENCEDORA: “Viva - A Vida É uma Festa"
  • "O Poderoso Chefinho"
  • “The Breadwinner”
  • “O Touro Ferdinando”
  • “Com Amor, Van Gogh”

Melhor Roteiro

  • VENCEDOR: "Três Anúncios para um Crime" (Martin Mcdonagh)
  • "A Forma da Água" (Guillermo Del Toro, Vanessa Taylor)
  • "Lady Bird - A Hora de Voar" (Greta Gerwig)
  • "The Post: A Guerra Secreta" (Liz Hannah, Josh Singer)
  • "A Grande Jogada" (Aaron Sorkin)

TV

Melhor Série Dramática

  • VENCEDORA: “The Handmaid’s Tale”
  • “The Crown”
  • “Game of Thrones”
  • “Stranger Things”
  • “This is Us”

Melhor Ator em Série Dramática

  • VENCEDOR: Sterling K. Brown, “This is Us”
  • Freddie Highmore, “The Good Doctor”
  • Bob Odenkirk, “Better Call Saul”
  • Liev Schreiber, “Ray Donovan”
  • Jason Bateman, “Ozark”

Melhor Atriz em Série Dramática

  • VENCEDORA: Elisabeth Moss, “The Handmaid’s Tale”
  • Caitriona Balfe, “Outlander”
  • Claire Foy, “The Crown”
  • Maggie Gyllenhaal, “The Deuce”
  • Katherine Langford, “13 Reasons Why”

Melhor Minissérie ou Filme para TV

  • VENCEDORA: “Big Little Lies”
  • “Fargo”
  • “Feud: Bette and Joan”
  • “The Sinner”
  • “Top of the Lake: China Girl”

Melhor Atriz em Minissérie ou Filme para TV

  • VENCEDORA: Nicole Kidman, “Big Little Lies”
  • Jessica Biel, “The Sinner”
  • Jessica Lange, “Feud: Bette and Joan”
  • Susan Sarandon, “Feud: Bette and Joan”
  • Reese Witherspoon, “Big Little Lies”

Melhor Ator em Minissérie ou Filme para TV

  • VENCEDOR: Ewan McGregor, "Fargo"
  • Robert De Niro, "The Wizard of Lies"
  • Jude Law, "The Young Pope"
  • Kyle MacLachlan, "Twin Peaks"
  • Geoffrey Rush, "Genius"

Melhor Série de Comédia ou Musical

  • VENCEDORA: “The Marvelous Mrs. Maisel”
  • "Black-ish”
  • “Master of None”
  • “SMILF”
  • “Will & Grace”

Melhor Ator em Série de Comédia ou Musical

  • VENCEDOR: Aziz Ansari “Master of None”
  • Anthony Anderson, “Black-ish”
  • Kevin Bacon, “I Love Dick”
  • William H. Macy, “Shameless”
  • Eric McCormack, “Will and Grace”

Melhor Atriz em Série de Comédia ou Musical

  • VENCEDORA: Rachel Brosnahan, “The Marvelous Mrs. Maisel”
  • Pamela Adlon, “Better Things”
  • Alison Brie, “Glow”
  • Issa Rae, “Insecure”
  • Frankie Shaw, “SMILF”

Melhor Atriz Coadjuvante em Série, Minissérie ou Filme para TV

  • VENCEDORA: Laura Dern, “Big Little Lies”
  • Ann Dowd, “The Handmaid’s Tale”
  • Chrissy Metz, “This is Us”
  • Michelle Pfeiffer, “The Wizard of Lies”
  • Shailene Woodley, “Big Little Lies”

Melhor Ator Coadjuvante em Série, Minissérie ou Filme para TV

  • VENCEDOR: Alexander Skarsgard, “Big Little Lies”
  • Alfred Molina, “Feud”
  • David Thewlis, “Fargo”
  • David Harbour, “Stranger Things”
  • Christian Slater, “Mr. Robot”