Filmes e séries

Comédia "Todo Mundo em Pânico 5" satiriza "Mama" e "Cisne Negro"

Alysson Oliveira

Do Cineweb*

27/06/2013 11h41

Como nos filmes anteriores da série, "Todo mundo em pânico 5" requer um conhecimento prévio de alguns dos filmes mais badalados dos últimos anos. Caso contrário, para quem assiste, essa sátira será indecifrável. No caso, os alvos são "Atividade paranormal", "Mama", "Cisne Negro" e "Planeta dos Macacos: A Origem".

A primeira cena é, na verdade, a melhor. Estão na cama prestes a transar Charlie Sheen e Lindsay Lohan, que interpretam a si mesmos, sem o menor pudor de se ridicularizarem, citando seus inúmeros problemas com a justiça. Quando Martin desaparece, seu irmão, Dan (Simon Rex), e a mulher dele, Jody (Ashley Tisdale), precisam cuidar do trio de sobrinhos - duas meninas e um bebê -, que foram encontrados numa cabana na floresta.

Nessa primeira parte, "Todo mundo em pânico 5" segue de perto a trama do filme de terror "Mama", expondo e ridicularizando os absurdos do filme protagonizado por Jessica Chastain, exibido nos cinemas brasileiros há poucos meses. Jody não quer ser mãe e, mesmo se quisesse, ela não leva o menor jeito - sendo capaz de, acidentalmente, colocar fogo na cabeça do bebê, entre outros desastres.

TRAILER DUBLADO DE "TODO MUNDO EM PÂNICO 5"

Desde pequena, ela tem outro sonho: tornar-se bailarina. Para isso, participa de um teste para uma montagem de "O Lago dos Cisnes". Aqui, Ashley assume o papel que rendeu um Oscar a Natalie Portman, protagonista de "Cisne Negro". E encontra uma rival, sua substituta, Kendra (Erica Ash), além da veterana que perdeu o lugar para ela, interpretada por Molly Shannon.

Enquanto isso, Dan é um cientista, cujas pesquisas desenvolvem um macaco mais inteligente do que todo os personagens do longa juntos. Jerry O'Connel -- que esteve no "Pânico" original, de 1997 -- interpreta Christian Gray, sujeito que perdeu toda a fortuna decorando o quarto com equipamentos para a prática de sadomasoquismo.

Outro sujeito, que é a cara de Leonardo DiCaprio, ajuda Jody a entrar no sonho de uma das sobrinhas para tentar descobrir o que é a tal da Mama. A ficção científica "A origem" e o romance "50 tons de cinza" também comparecem na trama.

"Todo Mundo em Pânico 5" é só um pouco mais de humor barato -- nem sempre engraçado. Apesar do roteiro assinado pelo veterano David Zucker, é melhor que ninguém alimente expectativas muito altas, ou espere algo no estilo de outras comédias assinadas por ele, como as da série "Corra Que A Polícia Vem Aí".

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo