Filmes e séries

"Quero Matar Meu Chefe 2" extrai graça do nonsense e do elenco

Rodrigo Zavala

Do Cineweb

03/12/2014 16h06

Se no primeiro filme, de 2011, os protagonistas de "Quero Matar Meu Chefe" pareciam ter perdido o senso do ridículo, a sequência, que estreia nesta quinta (4), mostra que o nível de estupidez dos personagens é tão alto que conseguiu ser transformado numa virtude.

Jason Bateman, Charlie Day e Jason Sudeikis (Nick, Dale e Kurt, respectivamente) fazem aqui uma comédia de absurdos, que desliza em pontuais baixarias, mas é engraçada e robusta, muito bem escorada na espontaneidade do trio. Os três amigos, que antes enfrentavam as agruras de terem patrões monstruosos, e daí a sanha em eliminá-los, agora, finalmente realizam o sonho americano do empreendedorismo.

Fiados em uma invenção de Dale, o "shower buddy" (uma espécie de ducha 3 em 1, que já vem com xampu e sabonete), passam apuros para divulgar a própria marca, especialmente em um programa de TV, quando se apresentam como uma máquina de vexames. Decididos a conseguirem um investidor disposto a ajudá-los a produzir e distribuir a invenção, contatam Bert Hanson (Christoph Waltz), um magnata do ramo varejista.

Ele propõe ao trio comprar 100 mil peças, mas acaba enganando os desavisados, que se veem obrigados a declarar falência e ainda a procurar o ex-chefe de Nick, Dave Harken (Kevin Spacey), que está na cadeia. Para salvar seu negócio, premeditam o sequestro do primogênito de Bert, Rex (um irreverente Chris Pine), playboy imaturo com sérios problemas a resolver com o pai. E procuram a ajuda de consultor para estes assuntos, o já conhecido Dean 'Motherfucker' Jones (Jamie Foxx).

Mas a inépcia dos protagonistas, somada à idiotice, fazem com que os planos tomem rumos diferentes, repletos de reviravoltas --incluindo a participação da predadora sexual Julia (Jennifer Aniston). A agilidade do filme, escrito e dirigido por Sean Anders, co-roteirizado por John Morris, dupla que já trabalhou junta no divertido "Família do Bagulho" (2013), pode ser pontuada pelo texto, mas o vigor é mesmo do elenco.

Como ocorreu no filme anterior, é o trio de pirados, cada um à sua maneira, quem dá formato ao humor, amparado também no excelente trabalho dos celebrados coadjuvantes. É essa empatia, com muito improviso, a razão de existir desta sequência. E mostra que a estupidez pode ser, sim, uma vantagem.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo