Filmes e séries

Concorrente ao Oscar, drama polonês "Ida" revisita fantasmas do Holocausto

Neusa Barbosa

Do Cineweb, em São Paulo*

23/12/2014 14h12

Indicado ao Globo de Ouro e integrante da pré-lista de nove candidatos ao Oscar de filme estrangeiro, o drama polonês "Ida", do diretor Pawel Pawlikowski, afirma sua vocação para a sobriedade a partir da fotografia sutil em preto-e-branco, garantindo prêmios como o da Associação Americana dos Diretores de Fotografia. O filme estreia nesta quinta (25).

Apesar de o filme revisitar um tema exaustivamente retratado no cinema, as marcas do Holocausto, o roteiro, assinado por Pawlikowski e Rebecca Lenkiewicz, o faz de maneira singular, a partir dos olhos de uma jovem noviça, Anna (a estreante Agata Trzebuchowska).

A madre superiora do convento (Halina Skoczynka) revela a Anna que ela tem uma tia e insiste que deve conhecê-la antes de assumir seus votos de freira. Este encontro com Wanda Gruz (Agata Kuleska) sustenta o eixo da história, já que as duas representam sempre polos opostos de uma realidade cuja complexa dramaticidade cresce a cada cena, sem que para isso o diretor recorra a qualquer excesso melodramático.

Aos 18 anos, Anna não conhece nada além do convento, lugar protegido das contradições do mundo lá fora. O ano é 1962. A Segunda Guerra há muito ficou para trás e a Polônia é um país socialista, sob influência da URSS. Wanda foi parte ativa do movimento de resistência antinazista e, depois, do sistema judicial que puniu os carrascos dos judeus. O que Anna não sabia até ali é que ela mesma é vítima do Holocausto.

Seu verdadeiro nome é Ida Lebenstein e foi entregue ao convento ainda bebê. Seus pais desapareceram. Mas Wanda tem uma ideia de onde podem estar enterrados e leva a sobrinha a uma viagem de dolorosa descoberta de suas raízes.

A espinha dorsal da história é este confronto permanente entre Anna/Ida, jovem inocente que resiste ao próprio mundo externo, e a tia madura, vivida, cínica, conhecedora de vícios e prazeres que a sobrinha abomina, mas desconhece.

A direção de Pawlikowski evita qualquer maniqueísmo e permite que essas duas excepcionais intérpretes desdobrem as camadas de personagens muito ricos, que procuram lidar com o peso do passado e da história de um país muito particular. A experiente Agata Kuleska, em especial, é um primor na composição de uma personagem cuja amargura nunca se afasta de uma singular dignidade.

Claramente, são maiores as possibilidades de escolha de Anna/Ida, a partir de seus próprios novos sentimentos e de contatos como o saxofonista Lis (David Ogrodnik), que se apresenta num hotel em que as duas se hospedam.

Melhor ainda que o diretor acredite mais na força das belas e contundentes imagens do que num palavrório excessivo, deixando a história encontrar o próprio ritmo suavemente, abrindo as portas à participação da imaginação e dos sentimentos do espectador.

Trailer legendado de "Ida"

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo