Filmes e séries

Três mulheres disputam Marcio Garcia na comédia nacional "Loucas pra Casar"

Alysson Oliveira

Do Cineweb, em São Paulo

07/01/2015 17h13

A comédia nacional "Loucas pra Casar", que estreia nesta quinta (8), é uma espécie de "O Sexto Sentido" de seu gênero. Não que tenha gente morta ou crianças com poderes paranormais, mas uma reviravolta próxima do fim muda a perspectiva de tudo que se viu até então.

O que também não quer dizer que o longa, protagonizado por Ingrid Guimarães, seja lá muito diferente do que o cinema brasileiro tem apresentado até agora no gênero. Trata-se apenas de um filão que a atriz está explorando, na linha do sucesso "De Pernas pro Ar", também escrito e dirigido por Marcelo Saback e Roberto Santucci, respectivamente.

Ingrid interpreta Malu, mulher bem-sucedida que trabalha numa construtora e namora seu patrão, Samuel (Marcio Garcia). Ela acredita que está pronta para casar, e só espera o pedido. Enquanto ele não vem, o casal realiza suas fantasias vivendo personagens em encontros tórridos (até o ponto que uma comédia careta permite) nos apartamentos desocupados.

Mais tarde, ela acaba descobrindo que Samuel tem outras duas mulheres, a stripper Lúcia (Suzana Pires) e a recatada Maria (Tatá Werneck), com quem também mantém um relacionamento há três anos sem que nenhuma saiba das outras.

Começa, então, uma disputa pela atenção e o coração do mulherengo mas também existe a possibilidade de se unirem para se vingar, o que, ao seu modo, lembraria a comédia "Mulheres ao Ataque", protagonizada por Cameron Diaz.

Mas não é bem o caso aqui. Santucci e Saback fazem, em boa parte do tempo, uma comédia física, que, às vezes, beira o pastelão. Quem não se incomodar em ver três mulheres bonitas, adultas, se estapeando por um homem pode até achar alguma graça.

Salva aqui o talento de Ingrid para a comédia não é novidade e de Suzana, para femme fatale mesquinha e engraçada o que pode ser alguma novidade. Tatá, conhecida por seu humor na televisão, não se encontra no filmenem tudo é culpa dela, até porque sua personagem é a mais chata.

Santucci dirige seu sexto filme em quatro anos no ano passado lançou "O Candidato Honesto",e talvez seja hora de tirar férias, se reinventar ou ousar mais. Embora suas comédias agradem ao público, fazendo alta bilheteria, talvez seja a hora de sair da zona de conforto e tentar algo novo.

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo