PUBLICIDADE
Topo

Susan Sarandon critica Woody Allen, mas evita dar destaque a ele em Cannes

De Cannes (França)*

15/05/2016 18h38

A atriz Susan Sarandon declarou neste domingo (15) que "não tem nada de bom a dizer" sobre Woody Allen, depois que voltaram a surgir durante o Festival de Cannes as acusações de abuso sexual que atingem o diretor há anos.

"Não tenho nada de bom a dizer sobre Woody Allen. Assim, não acho que devamos entrar nesse tema", declarou Susan em um debate sobre o lugar das mulheres na indústria do cinema.

A atriz respondia a uma pergunta sobre um comentário feito por Allen. Em uma entrevista coletiva em Cannes, o diretor declarou não ter material suficiente para fazer um filme sobre uma mulher apaixonada por um homem mais jovem que ela.

A atriz americana ainda fez uma dura crítica pelos supostos abusos que o diretor cometeu com sua filha adotiva Dylan quando esta era uma menina.

"Acredito que abusou sexualmente de uma criança e não acho que isso seja bom", disse a atriz durante o fórum organizado pela revista "Variety" e o consórcio francês do luxo Kering no marco do programa "Women in Montion", realizado em paralelo e em colaboração com o Festival de Cannes.

Sarandon participou com Geena Davis da conversa, já que as duas atrizes protagonizaram em 1991 o inesquecível "Thelma e Louise". Elas são as escolhidas nesta segunda edição do programa para receber o Prêmio Women in Motion pela "contribuição exemplar à indústria do cinema e à causa das mulheres".

Woody Allen em evidência

As acusações contra Woody Allen ressurgiram na última quinta-feira (12), após a publicação de um artigo de seu filho, o jornalista Ronan Farrow, no qual denunciava "o silêncio" da imprensa sobre o passado do diretor. A filha adotiva de Allen o acusa de ter abusado dela quando era criança.

Em meio a uma batalha judicial entre Allen e sua ex-mulher Mia Farrow pela guarda dos filhos, um juiz de Nova York e uma investigação do Serviço Social dessa cidade haviam concluído que as acusações de agressões sexuais "não eram conclusivas".

*Com informações da agência EFE