Filmes e séries

Leandra Leal vence prêmio de melhor atriz do Festival de Cinema do Rio

Fabíola Ortiz

Do UOL, no Rio de Janeiro

A atriz Leandra Leal venceu nesta quinta-feira (10) o prêmio de melhor atriz do Festival de Cinema do Rio, pelo longa “O Lobo Atrás da Porta”, de Fernando Coimbra, que no início do mês já havia levado o prêmio Horizontes no Festival de San Sebastián, na Espanha.

O prêmio de melhor filme de ficção da 15ª edição do festival foi compartilhado por dois novos cineastas paulistas. "O Lobo atrás da Porta", de Fernando Coimbra, e "De Menor", de Caru Alves, receberam o troféu Redentor pela escolha do júri oficial. Já a melhor ficção escolhida pelo voto popular foi “Tatuagem”, de Hilton Lacerda.

A entrega do Redentor ocorreu, na noite desta quinta-feira (19), no pavilhão do Festival de Cinema, na região portuária do Rio -- a cerimônia ocorre geralmente no Cine Odeon, tradicional sala de cinema carioca na Cinelândia, no Centro da cidade, mas mudou de local em função dos protestos na cidade.

O encerramento foi marcado por declarações políticas de cineastas e produtores que se posicionaram a favor das manifestações e contra a violência policial.

Prejudicada pela onda de manifestações, a programação do festival no Odeon teve que ser cancelada de última hora e a Première Brasil com as pré-estreias nacionais foram reexibidas em outras salas de cinema.

“Foram muitas aventuras este ano, vivemos um momento específico mas a gente conseguiu manter o nosso compromisso de trazer um grande festival para a cidade e efetivamente transformá-la num lugar de encontro”, disse ao UOL Ilda Santiago, a diretora do festival.

Inicialmente, a organização do evento não havia cogitado suspender os filmes  no Odeon, mas acabou mudando de planos. “A gente se manteve até onde deu no Odeon, mas alguns dias era inviável ficar lá até por uma questão de segurança para todo mundo. A cidade está vivendo um momento especial desde que começaram as manifestações e nós respeitamos. Todo mundo tem o direito de reivindicar suas demandas”, comentou Santiago.

Segundo ela, há cerca de uma semana, passou-se a repensar os rumos das exibições dos filmes no festival. “Começamos e repensar como fazer as galas a gente já tinha pensado em fazer o encerramento no pavilhão em meio à crise e à necessidade”, destacou.

Contudo, Santiago fez um balanço positivo do festival, em especial, da Première Brasil. “Foi concorrida, uma janela interessante e auspiciosa”.

Mesmo assim, o encerramento foi marcado por muitas ausências de convidados e diretores em razão da localização, em pleno canteiro de obras da região portuária e de acesso complicado. Dos cerca de 500 convidados, compareceram 300. Foram poucos os atores e atrizes que estiveram presentes, entre eles Juliano Cazarré, Carolina Dieckman, Leandra Leal e Bete Faria.

O casal de humoristas do Porta dos Fundos Julia Rabello e Marcos Veras tiveram que se virar e improvisar com a ausência de convidados para buscar os prêmios e os problemas de som.

O evento fez uma homenagem póstuma a Ênio Gonçalves e a Norma Benguell, que morreu aos 78 anos de câncer, na madrugada desta quarta-feira (9).

A favor das manifestações
“Eu não esperava ganhar, mas tinha muita gente fazendo a nossa cabeça dizendo que o filme estava no páreo”, comentou Fernando Coimbra, diretor de “O Lobo atrás da Porta”, seu primeiro longa. “Muita gente viu e teve uma repercussão forte”.

Ao final do evento, uma faixa foi estendida pelos diretores e produtores presentes com os dizeres: “Pela desmilitarização da polícia e da política. Cultura e Educação juntos nessa luta”. E ainda entoaram o mantra que tem sido repetido pelas ruas durante as manifestações: “O professor é meu amigo, mexeu com ele, mexeu comigo”.

Coimbra foi um dos que se manifestou a favor das manifestações: “Me posiciono, sou totalmente a favor dos professores, meus pais e avós são professores. Isso é um absurdo e eu sempre fui a favor do festival não parar. A maior manifestação é o festival ter continuado”, comentou.

Já a também paulista Caru Alves que estreou com seu primeiro longa "De Menor", defendeu ser “100% a favor dos professores”. Ela comentou o prêmio de melhor longa ficção e o fato de os dois diretores serem de São Paulo

“Foi uma invasão paulista no Festival do Rio. Na verdade, eu nem estava esperando ganhar. A gente sempre espera que o filme seja reconhecido”. O longa ainda não tem previsão para estrear, mas deve ser lançado em 2014.

“Muitos cineastas que estão na Première Brasil se juntaram, a gente está há muitos dias conversando sobre isso. Tem muitos cineastas acompanhando de perto as manifestações, não tinha como ignorar o que está havendo. Está na hora do cinema sair da torre de marfim e descer para a rua”, argumentou.

"Brasil é cruel com os brasileiros", diz ator

O ator Juliano Cazarré, que disputou o prêmio de melhor ator coadjuvante em "O Lobo atrás da Porta" fez coro à dinignação.

"O problema é complexo, mostra uma grande insatisfação da população. Há algo realmente muito errado. Todo mundo vive sufocado com muito imposto, parado no trânsito. O Brasil é um país cruel com os brasileiros, é difícil ser brasileiro", afirmou Cazarré no tapete vermelho.

"Eu sou mais um brasileiro indignado, é difícil viver no Brasil. Me solidarizo com os manifestantes, mas sou contra qualquer tipo de violência".

Veja abaixo os premiados do festival de Cinema do Rio:

MELHOR DOCUMENTÁRIO:
"Histórias de Arcanjo - Um Documentário Sobre Tim Lopes", de Guilherme Azevedo

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI DOCUMENTÁRIO:
"A Farra do Circo", de Roberto Berliner e Pedro Bronz

MENÇÃO HONROSA DO JÚRI DOCUMENTÁRIO:
"Cativas - Presas Pelo Coração", de Joana Nin
"Damas do Samba", de Susanna Lira

MELHOR ATOR COADJUVANTE:
Rodrigo García ("Tatuagem")

MENÇÃO HONROSA DO JÚRI ATOR COADJUVANTE:
Silvio Guindane("Jogo das Decapitações")
Julio Andrade ("Entre Nós")

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE:
Martha Nowill ("Entre Nós")

MELHOR FOTOGRAFIA:
Pedro Urano ("Quase Samba")

MELHOR MONTAGEM:
Mair Tavares ("Estrada 47")

MELHOR ROTEIRO:
Paulo Morelli ("Entre Nós")

MELHOR ATOR:
Jesuíta Barbosa ("Tatuagem")

MENÇÃO HONROSA DO JÚRI ATOR:
Francisco Gaspar ("Estrada 47")

MELHOR ATRIZ:
Leandra Leal ("O Lobo Atrás da Porta")

MELHOR DIRETOR:
Cao Guimarães e Marcelo Gomes ("O Homem das Multidões")

MELHOR FILME:
"De Menor", de Caru Alves de Souza
"O lobo Atrás da Porta", de Fernando Coimbra

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI FICÇÃO:
"Tatuagem", de Hilton Lacerda

MELHOR CURTA-METRAGEM:
"Contratempo", de Bruno Jorge

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
redetv
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
redetv
redetv
redetv
redetv
Blog do Nilson Xavier
do UOL
Reuters
EFE
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Da Redação
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
Topo