Topo

Filmes e séries


Filme com Deborah Secco como portadora de HIV emociona público em Paulínia

Divulgação
Imagem: Divulgação

Tiago Dias

Do UOL, em Paulínia (SP)

25/07/2014 02h39

Nos minutos finais de "Boa Sorte", uma espécie de "A Culpa é das Estrelas" com usuários de drogas, o público do Festival de Paulínia --que, no início, chegou a rir com o filme-- se resumia em um silêncio cortado apenas por narizes assoados para evitar o choro. Até mesmo a atriz Deborah Secco derramava lágrimas ao abraçar a equipe após a primeira exibição do longa, na noite desta quinta-feira (24).

Divertido e obscuro, "Boa Sorte" é a primeira ficção de Carolina Jabor, filha do cineasta e comentarista da Globo Arnaldo Jabor. Inspirado no conto "Frontal com Fanta", de Jorge Furtado, o longa fala de um casal que se conhece em uma clínica psiquiátrica. Judite (Deborah Secco, que floresce como nunca no decorrer do filme), uma viciada em drogas e soropositiva com pouco tempo de vida, e o adolescente João (João Pedro Zappa, em boa atuação), um jovem com distúrbios de comportamento. 

Embora flerte com uma visão bem-humorada dos internos da clínica e tenha uma linguagem mais pop, incluindo Peaches e Caetano Veloso na trilha, o filme tem um tom um pouco mais denso que o longa baseado no livro de John Green, ainda em cartaz nos cinemas. João e Judite se drogam e não contam com apoio familiar. Até mesmo a avó de Judite, vivida brilhantemente por Fernanda Montenegro, reforça a ausência dos pais na vida dos personagens.

A experiência marcou Deborah Secco além dos limites corporais. Após emagrecer 11 kg para o filme, a atriz subiu ao palco para apresentar o longa e ressaltou uma mudança na própria carreira. "Foi meu trabalho mais importante. A Judite mudou a minha vida. É meu primeiro passo para a ser artista que eu quero ser", disse, bastante aplaudida.