! "É uma mulher à deriva, vítima de sua inércia", diz diretor de "Gravidade" - 02/10/2013 - UOL Entretenimento

Filmes e séries

"É uma mulher à deriva, vítima de sua inércia", diz diretor de "Gravidade"

Los Angeles (EUA)

02/10/2013 11h40

O filme "Gravidade", do mexicano Alfonso Cuarón e no qual Sandra Bullock e George Clooney demonstram o terror de ficar à deriva no espaço, superou um enorme desafio técnico para transmitir a perda e recuperação da gravidade por uma mulher afetada pela adversidade tanto física quanto emocional.

Em "Gravidade", o descontraído astronauta Matt Kowalski (Clooney) faz seu último voo espacial, durante o qual testa um novo equipamento que permite a ele flutuar no espaço. Ele é acompanhado por Ryan Stone (Bullock), uma engenheira em sua primeira missão em órbita e que carrega um peso na consciência.

Ambos serão os únicos sobreviventes de um terrível acidente, que os deixa à deriva no espaço.

Com roteiro de Cuarón e de seu filho Jonás, de 31 anos, o thriller estreia nesta sexta-feira (4) nos Estados Unidos e na próxima semana no Brasil.

Reprogramar as reações era o mais difícil. Era necessário voltar a treinar o corpo do pescoço para baixo

Sandra Bullock

Com prolongadas sequências de apenas uma tomada, câmeras em primeira pessoa do ponto de vista de Bullock e uma bela coreografia, na qual o pânico na voz e no olhar contrasta com os lentos movimentos corporais da gravidade zero, o filme em 3D é uma experiência cinematográfica inédita para o espectador.

"Este foi o maior desafio", disse o diretor de 51 anos em uma recente entrevista coletiva em Beverly Hills.

"Quando elaboramos a coreografia, nossos cérebros pensavam do ponto de vista da gravidade, em termos de peso e de horizonte. Tivemos que aprender tudo de novo porque era totalmente contraintuitivo".

Cuarón conseguiu o resultado desejado com a mistura de ação real e efeitos de computação gráfica, incluindo os trajes espaciais.

Mas, para dar a sensação de que os atores se movimentavam em um ambiente de gravidade zero, os produtores elaboraram uma plataforma a partir da qual especialistas titereiros faziam a atriz "flutuar".


O diretor de fotografia, o mexicano Emmanuel Lubezki, criou ainda uma "caixa de luz", cujas paredes internas foram cobertas de milhares de diminutas luzes LED que simulavam estrelas.

Com estas e outras ferramentas, Cuarón fez girar o universo ao redor dos atores.

"Reprogramar as reações era o mais difícil. Era necessário voltar a treinar o corpo do pescoço para baixo", disse Bullock aos jornalistas.

"Passei por um treinamento e semanas de repetição e sincronização com a câmera de Alfonso".

"E, depois, tinha que separar tudo aquilo das expressões faciais, para poder contar a história emocional", acrescentou a atriz de 49 anos, vencedora do Oscar em 2010 por "Um Sonho Possível" e que já é apontada como uma das indicadas para a próxima premiação da Academia.

Ela é confrontada com todas estas adversidades que a afastam cada vez mais de qualquer conexão humana e do sentido da vida

Alfonso Cuarón

Esqueça o espaço
Produzido pelo britânico David Heyman - que trabalhou com Cuarón em "Harry Potter e o prisioneuro de Azkaban" (2004) -, o filme da Warner Bros é a metáfora de uma viagem emocional: o da reconciliação da doutora Ryan Stone com sua vida na Terra.

"O filme é sobre uma mulher. Esqueça o espaço. É uma mulher à deriva no vazio, vítima de sua própria inércia", disse Cuarón.

"Ela é confrontada com todas estas adversidades que a afastam cada vez mais de qualquer conexão humana e do sentido da vida", disse o diretor de "E sua mãe também" (2001) e "Filhos da Esperança" (2006).

"Todos os outros elementos são vozes que integram sua psique, que representam o surgimento da vida. Porque apesar dela estar desesperada e do cérebro dizer 'me rendo', há algo que nos faz seguir adiante. A vida segue adiante".

"Gravidade" é o 'queridinho' da crítica desde sua estreia mundial em agosto no Festival de Veneza.

Com citações de Stanley Kubrick, que fez história com "2001: Uma Odisseia do Espaço" (1968), e do diretor alemão Max Ophüls, famoso pelos profundos retratos de mulheres, o crítico de cinema Justin Chang foi só elogios na revista Variety.

"Imagino que, em algum lugar, os espíritos de Stanley Kubrick e Max Ophüls estão assistindo com admiração", concluiu.

 

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Topo