Filmes e séries

Vilão de "Os Vingadores", Tom Hiddleston diz que personagem precisa de um abraço

Divulgação
Tom Hiddleston como o vilão Loki em "Os Vingadores" Imagem: Divulgação

Natalia Engler

Do UOL, em São Paulo

Há um ano, Tom Hiddleston era um nome praticamente desconhecido fora da Inglaterra, onde atuava no teatro e na TV. Mas o sucesso estava perto para o jovem inglês que estudou no tradicional colégio Eton, escola frequentada pela elite e realeza, e se formou com louvor na Universidade de Cambridge. Pouco antes de aparecer na tela grande como o escritor F. Scott Fitzgerald em “Meia-Noite em Paris”, de Woody Allen, Hiddleston assumiu o papel do vilão Loki, vingativo irmão adotivo do Deus do Trovão em “Thor”, dirigido por Kenneth Branagh. O personagem lhe daria visibilidade e é forte concorrente ao posto de vilão do ano, com o lançamento de “Os Vingadores”, nesta sexta (27). E o ator parece levar a sério a dedicação aos filmes de super-heróis: em 19 de abril, Hiddleston publicou no blog de cinema do jornal inglês “The Guardian” um artigo em que defende que “filmes de super-heróis, como ‘Os Vingadores’, não devem ser desprezados” e “têm muito a nos ensinar sobre fé e humanidade”. Hiddleston falou ao UOL por telefone, de Miami.

UOL - Qual é a fonte da raiva de Loki? Qual é o problema com ele?
Tom Hiddleston -
Eu acho que ele foi ferido por essa sensação de traição. Acho que ele se sente muito traído por sua família. Sua verdadeira história familiar é que ele foi o filho ilegítimo de um monstro, abandonado para morrer no frio, e foi adotado e criado como irmão de Thor. E só contam a verdade para ele muito mais tarde. Acho que ele fica furioso de ser tratado de forma tão injusta pelo universo. Ele precisa de um abraço [risos].

UOL - Você conseguiu se identificar com ele de alguma forma?
Hiddleston -
Todo mundo neste planeta teve momentos em que se sente sozinho, mal-compreendido ou chateado porque foi traído. É só lembrar como é isso e expandir para um nível muito, muito, muito, muito maior. Mas em relação a essa coisa de conquistar o mundo, isso é novo para mim. Não há nada disso em mim, posso garantir [risos].

UOL - Nem mesmo quando você era criança?
Hiddleston -
[Ri muito]. Não, prometo para você. Minha mãe diz que eu era uma criança muito quieta e pacífica. Então, não sei de onde essa coisa de dominar o mundo veio [risos].

UOL - Qual é o seu super-herói favorito?
Hiddleston -
Eu cresci assistindo o Super-Homem de Christopher Reeve e ele realmente era meu herói. Era minha coisa favorita quando criança. As coisas com as quais entramos em contato quando somos crianças ajudam a formar nossa imaginação, porque moldam a maneira como vemos o mundo de uma maneira muito sutil. E Christopher Reeve era tão genuinamente heróico, amável, engraçado e doce. Quando soube que ele tinha caído de um cavalo e sofrido um acidente, eu realmente não pude acreditar. Claro que eu sabia que Christopher Reeve não era o Super-Homem, mas ele representava o Super-Homem na minha cabeça. É louco que esse ator que representava um super-herói fosse frágil.

UOL - E qual é seu super-vilão favoritos?
Hiddleston -
São dois, ambos interpretados por Alan Rickman. Ele interpreta Hans Gruber em “Duro de Matar” [1988], o primeiro “Duro de Matar”, com Bruce Willis, e está absolutamente fantástico. E também em “Robin Hood: O Príncipe dos Ladrões” [1991]. Ele está hilário nesse filme. Ele diz a seus homens para cancelar o Natal em “Robin Hood” [ri muito]. Lembro-me muito bem.

CIRANDA DOS VINGADORES - ENTENDA AS RELAÇÕES ENTRE OS HERÓIS DA SÉRIE

  • Arte/UOL

UOL - Para você, qual é o atrativo dos super-heróis e porque as pessoas continuam a gostar de histórias desse tipo de geração em geração?
Hiddleston -
Sinto que todas as sociedades inconscientemente inventam histórias para explicar sua humanidade. Os gregos antigos e os romanos tinham deuses, os povos do norte tinham deuses, a cultura indiana tem uma mitologia enorme, com histórias incríveis e épicas sobre amor, família e guerra. Cansei de filosofar muito sobre o assunto, mas acho que histórias em quadrinhos são uma extensão desse instinto coletivo. De algum modo, foram aceitas como uma mitologia contemporânea. Essa ideia do super-herói, alguém que é como nós, mas tem a habilidade de fazer coisas que todos nós gostaríamos de fazer. É a questão eterna que toda criança pergunta no playground: “se você tivesse um super poder, qual seria?”. E eu acho que todos gostaríamos de ter um super poder e fazer do mudo um lugar melhor. Sinto que essa ideia de ter a liberdade de fazer coisas que não podemos fazer apela para um tipo de instinto com que todos nascemos.

TRAILER DUBLADO DE "OS VINGADORES"

UOL - Qual é a parte mais difícil de interpretar um super-vilão?
Hiddleston -
A parte mais difícil é fazer parecer real e tentar achar a energia para projetar todas suas feridas espirituais. Ele tem muita raiva, ciúmes e orgulho. E sob todo esse mal, ele é apenas uma alma perdida e machucada. Algumas vezes, quando eu levantava de manhã e me sentia otimista com a vida, de bom humor, feliz, pensava “Preciso ir trabalhar e ficar muito irritado com todo mundo” [risos]. Essa era a parte mais difícil.

UOL - Para você, o Loki de “Thor” foi diferente do Loki de “Os Vingadores”?
Hiddleston -
Eu tive que entrar muito mais em forma. Tive que fazer mais treinamentos, melhorar meu estado físico. Porque tive muita ação. E com muita frequência eu tinha que filmar lutas, dia após dia, após dia. E então tinha uma cena grande de diálogo para fazer. Eu precisava ter certeza de que estaria em forma para ter energia suficiente para terminar a filmagem. Treinei muito com os dublês e fiz artes marciais mistas (MMA). Foi ótimo. Foi um trabalho duro, mas foi maravilhoso.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
Blog do Matias
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
Blog do Nilson Xavier
Topo