Filmes e séries

Ausente em Veneza, Lindsay Lohan é criticada por diretor de "The Canyons"

Neusa Barbosa

Do UOL, em Veneza (Itália)

30/08/2013 10h58

Diretor de "The Canyons", exibido fora de competição do Festival de Veneza na manhã desta sexta-feira (30), o cineasta norte-americano Paul Schrader desabafou e criticou sua protagonista e coprodutora, a atriz Lindsay Lohan, que não foi ao evento.

Antes de ouvir as perguntas dos jornalistas, Schrader pediu a palavra. “Hoje sou um homem livre. Por 18 meses, fui refém, por minha própria escolha, de uma atriz muito talentosa e imprevisível. Ela me garantiu que estaria aqui hoje. E não está”, desabafou.
 
Por isso, o diretor disse que “não lidaria” com nenhuma pergunta pessoal sobre ela. “Posso falar de seu papel no filme, não de sua personalidade”, avisou.
 
Comentando a atuação de Lindsay, Schrader descreveu-a como “uma atriz muito destemida”, mas não demorou a criticá-la. “Seu problema é que ela gasta tempo demais fingindo coisas e isto é cansativo tanto para ela quanto para as pessoas à sua volta. O que se vê na tela é muito próximo do que eu queria, mas foi muito exaustivo, porque tivemos que nos esforçar demais para separar o público do privado”.
 
Críticas ao filme e a Lindsay
Roteirista do filme, o escritor Bret Easton Ellis (autor de “Psicopata Americano”) relacionou algumas das fortes críticas que o filme, já disponibilizado via internet, com a notoriedade que Lindsay trouxe ao projeto, realizado com baixo orçamento e fora do esquema de produção de grandes estúdios. “Recebemos algumas críticas terríveis e muito disso veio do fato de se ter Lindsay ligada a este projeto. Por causa dela, o filme se tornou uma história muito maior”, declarou o roteirista. Durante a exibição do filme, em Veneza, era possível ouvir risadas vindo do público.
 
Na mesma linha, Schrader ironizou: “Somos uma turma muito polarizadora, Lindsay, Bret e eu. Na verdade, sou o menos polêmico de todos. Não estava acostumado com isto. E, mesmo assim, fiquei surpreso com a intensidade que isto (as críticas) atingiu”.
  • Lindsay Lohan em cena de "The Canyons"

Ator pornô
Em Veneza, o mais animado era o ator pornô James Deen. "The Canyons" é seu primeiro filme em Hollywood, no qual interpreta Christian, um poderoso jovem produtor de cinema, que manipula todos à sua volta, como a namorada Tara (Lindsay) e recorre ao crime e à violência para controlar os outros. 
 
“Neste meu único filme em Hollywood, pude mergulhar de um modo que nunca pude nos filmes para adultos que fiz, tendo um tempo para o desenvolvimento do personagem. Foi muito excitante fazer isso”, disse. 
 
Àqueles que compararam sua atuação com Richard Gere em outro famoso filme de Schrader, “O Gigolô Americano”, Deen afirmou: “Se eu tive alguma semelhança com Gere, certamente foi por causa do diretor”. 
 
Schrader, por sua vez, admitiu a proximidade entre os dois filmes. “Durante as filmagens, eu me disse: ‘Estou fazendo ‘O Gigolô Americano’ de novo”. A grande diferença esteve no que chamou de “a economia da produção”. “’O Gigolô Americano’ era um filme de estúdio. Neste, não tínhamos dinheiro. Parte da diversão era fazermos nosso próprio figurino e cuidarmos do nosso próprio transporte”. 
 
Apesar das restrições, Bret Easton Ellis disse que “o filme ficou muito melhor, mais elegante do que pensei”. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Colunas - Flavio Ricco
Topo