Filmes e séries

Em noite politizada, Globo de Ouro consagra "Boyhood" com três prêmios

Do UOL, em São Paulo

12/01/2015 02h01

Cinema, televisão e política se misturaram na 72ª edição do Globo de Ouro, realizada na noite deste domingo (11), em Beverly Hills, na Califórnia (EUA). Promovida pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, a premiação consagrou o filme "Boyhood", com os troféus de melhor drama, melhor diretor para Richard Linklater e melhor atriz coadjuvante para Patricia Arquette. O longa desbancou o favorito da noite, "Birdman", que levou apenas duas (melhor ator de comédia e melhor roteiro) das sete indicações que recebera.

Entre as produções de televisão, as mais premiadas foram "The Affair", "Fargo" e "Transparent", com dois prêmios cada uma.

Apresentada pela terceira vez consecutiva - e possivelmente a última - pelas comediantes Tina Fey e Amy Poehler, a cerimônia foi aberta com piadas sobre um dos temas mais espinhosos de Hollywood nos últimos tempos: as ameaças de hackers sofridas pelo estúdio Sony para tentar evitar o lançamento da comédia "A Entrevista", de Seth Rogen, que satiriza o ditador norte-coreano Kim Jong-Un. "E olha que as críticas feitas por ele nem foram as piores que o filme recebeu", brincou Fey, dando a deixa à colega que emendou que o incidente, pelo menos, "nos obrigou a fingir que estávamos afim de ver o filme". Em outros momentos da festa, uma atriz contratada apareceu vestida com uniforme militar da Coreia do Norte arrancando gargalhadas da plateia.

Em tom mais sério, Theo Kingma, presidente da Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, comentou o episódio. "A liberdade de expressão artística é um símbolo em todo o mundo em torno do qual permanecemos unidos, da Coreia do Norte a Paris", disse, fazendo referência também aos recentes atentados contra o semanário satírico francês "Charlie Hebdo". O ator Jared Leto e a advogada Amal Alamuddin, mulher de George Clooney, também manifestaram seu apoio aos cartunistas franceses mortos no ataque. Enquanto Leto repetiu o bordão "Je Suis Charlie" (Eu sou Charlie, em francês) no palco, a senhora Clooney pregou um bótom com a frase em sua charmosa bolsa de mão.

O viés político desta edição do Globo de Ouro também ficou claro nos dois prêmios entregues à série "Transparent" - melhor comédia e melhor ator -, sobre um pai de família que se revela transgênero. Em seu discurso de agradecimento, a criadora da série, Jill Soloway, dedicou o prêmio a seu próprio pai, "por ter assumido" sua condição de transexual e inspirado-a a contar a história. Já o ator Jeffrey Tambor, protagonista da série, dedicou o troféu à comunidade transgênero, por inspirar seu trabalho.

Um retrato das marchas de Martin Luther King pelos direitos civis nos Estados Unidos - tema que voltou a ganhar força nos EUA após episódios de violência policial contra negros -, o filme "Selma" venceu o prêmio de melhor canção, por "Glory".  Em um discurso emocionado, o músico Common explicou o que o atraiu ao projeto. "Sou um garoto negro desarmado que talvez precisasse de uma mão, mas, ao invés disso, levou uma bala. Eu sou os dois policiais caídos no cumprimento do dever. 'Selma' depertou minha humanidade". E acrescentou: "Agora é a hora de mudar o mundo. 'Selma' é agora".

Veja abaixo a lista completa dos vencedores de cinema:

Melhor filme de drama
"Boyhood - Da Infância à Juventude" - VENCEDOR
"Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo"
"O Jogo da Imitação"
"Selma"
"A Teoria de Tudo"

Melhor ator de drama
Steve Carell ("Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo")
Benedict Cumberbatch ("O Jogo da Imitação")
Jake Gyllenhaal ("O Abutre")
David Oyelowo ("Selma")
Eddie Redmayne ("A Teoria de Tudo") - VENCEDOR

Melhor atriz em drama
Jennifer Aniston, "Cake"
Felicity Jones, "A Teoria de Tudo"
Julianne Moore, "Para Sempre Alice" - VENCEDORA
Rosamund Pike, "Garota Exemplar"
Reese Witherspoon, "Livre"

Melhor filme de comédia ou musical
"Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)"
"O Grande Hotel Budapeste" - VENCEDOR
"Caminhos da Floresta"
"Pride"
"Um Santo Vizinho"

Melhor ator de comédia ou musical
Ralph Fiennes ("O Grande Hotel Budapeste")
Michael Keaton (“Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)”) - VENCEDOR
Bill Murray (“Um Santo Vizinho”)
Joaquin Phoenix ("Vício Inerente")
Christoph Waltz ("Grandes Olhos")

Melhor atriz de comédia e musical
Amy Adams ("Grandes Olhos") - VENCEDORA
Emily Blunt ("Caminhos da Floresta")
Helen Mirren ("A 100 Passos de Um Sonho")
Julianne Moore ("Mapa para as Estrelas")
Quevenshane Wallis ("Annie")

Melhor ator coadjuvante
Robert Duvall ("O Juiz")
Ethan Hawke ("Boyhood - Da Infância à Juventude")
Edward Norton (“Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)”)
Mark Ruffalo (“Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo”)
J.K. Simmons ("Whiplash: Em Busca da Perfeição") - VENCEDOR

Melhor atriz coadjuvante
Patricia Arquette, "Boyhood - Da Infância à Juventude" - VENCEDORA
Keira Knightley, "O Jogo da Imitação"
Emma Stone, "Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)"
Meryl Streep, "Caminhos da Floresta"
Jessica Chastain, "A Most Violent Year"

Melhor diretor
Alejandro González Iñárritu ("Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)")
Wes Anderson ("O Grande Hotel Budapeste")
Ava DuVernay ("Selma")
David Fincher ("Garota Exemplar")
Richard Linklater ("Boyhood - Da Infância à Juventude") - VENCEDOR

Melhor roteiro
Wes Anderson, "O Grande Hotel Budapeste"
Gillian Flynn, "Garota Exemplar"
Alejandro González Inarritu, Nicolas Giacobone, Alexander Dinelaris, Armando Bo, "Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)" - VENCEDOR
Richard Linklater, "Boyhood - Da Infância à Juventude"
Graham Moore, "O Jogo da Imitação"

Melhor animação
"Operação Big Hero"
"Festa no Céu"
"Os Boxtrolls"
"Como Treinar o seu Dragão 2" - VENCEDORA
"Uma Aventura Lego"

Melhor Filme Estrangeiro
"Força Maior" (Suécia)
"Gett: The Trial of Viviane Amsalem" (Israel)
"Ida" (Polônia)
"Leviatã" (Rússia) - VENCEDOR
"Tangerines" (Estônia)

Melhor canção
"Big Eyes" - "Grandes Olhos" (Lana Del Rey)
"Glory" - "Selma" (John Legend, Common) - VENCEDORA
"Mercy Is" - "Noé" (Patty Smith, Lenny Kaye)
"Opportunity" - "Annie"
"Yellow Flicker Beat" - "Jogos Vorazes: A Esperança - Parte 1" (Lorde)

Melhor trilha sonora
"O Jogo da Imitação" - Alexandre Desplat
"A Teoria de Tudo" - Jóhann Jóhannsson - VENCEDORA
"Garota Exemplar" - Trent Reznor, Atticus Ross
"Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)" - Antonio Sanchez
"Interestelar" - Hans Zimmer
 

A seguir, a lista de vencedores entre as séries de televisão:

Melhor série de drama
"House of Cards"
"Game of Thrones"
"Downton Abbey"
"The Good Wife"
"The Affair" - VENCEDORA


Melhor ator em série dramática
Clive Owen – "The Knick"
Liev Schrieber – "Ray Donovan"
Kevin Spacey - "House of Cards" - VENCEDOR
James Spader - "Blacklist"
Dominic West - "The Affair"

Melhor atriz de série dramática
Julianna Margulies - "The Good Wife"
Robin Wright - "House of Cards"
Claire Danies - "Homeland"
Viola Davis - "How To Gert Away With Murder"
Ruth Wilson - "The Affair" - VENCEDORA


Melhor série de comédia ou musical
"Girls"
"Orange Is the New Black"
"Jane the Virgin"
"Silicon Valley"
"Transparent" -  VENCEDORA

Melhor atriz em série de comédia ou musical
Lena Dunham, - "Girls"
Edie Falco - "Nurse Jackie"
Julia louis Dreyfus - "Veep"
Gina Rodriguez - "Jane the Virgin" - VENCEDORA
Taylor Schilling - "Orange Is The New Black"

Melhor ator em série de comédia ou musical
Louis CK - "Louie"
Don Cheadle - "House of Lies"
Ricky Gervais - "Derek"
William. H. Macy - "Shameless"
Jeffrey Tambor - "Transparent" - VENCEDOR

Melhor minissérie ou filme feito para a TV
"The Normal Heart"
"Fargo" - VENCEDOR
"Olive Kitteridge"
"The Missing"
"True Detective"

Melhor ator em minissérie ou filme feito para a TV
Matthew McConaughey - "True Detective"
Woody Harrelson - "True Detective"
Martin Freeman - "Fargo"
Mark Ruffalo - "The Normal Heart"
Billy Bob Thorton - "Fargo" - VENCEDOR
 

Melhor atriz em minissérie ou filme feito para a TV
Maggie Gylenhaal - "An Honorable Woman" - VENCEDORA
Jessica Lange - "American Horror Story"
Frances McDormand - "Olive Kitteridge"
Frances O'Connor - "The Missing"
Allison Torman - "Fargo"
 

Melhor ator coadjuvante em série, minissérie, ou filme para TV
Matt Bomer - "The Normal Heart" - VENCEDOR
Colin Hanks - "Fargo"
Alan Cumming - "The Good Wife"
Bill Murray - "Olive Kitteridge"
Jon Voight - "Ray Donovan"

Melhor atriz coadjuvante em série, minissérie, ou filme para a TV
Uzo Aduba - "Orange Is The New Black"
Kathy Bathes - "American Horror Story"
Joanne Froggatt – "Downton Abbey" - VENCEDORA
Allison Janney – "Mom"
Michelle Monaghan - "True Detective"

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo