Filmes e séries

"A Noviça Rebelde" completa 50 anos confirmando o poder de sua música

Divulgação
Julie Andrews em cena de "A Noviça Rebelde" (1965) Imagem: Divulgação

Roberto Sadovski

Do UOL, em São Paulo

02/03/2015 07h00

As montanhas ganharam vida com o som da música há exatas cinco décadas. Foi quando “A Noviça Rebelde”, musical de Robert Wise com Julie Andrews e Christopher Plummer, teve sua estreia em Nova York. Adaptação do musical da Broadway de Richard Rodgers e Oscar Hammerstein II, que por sua vez dramatizou a história real da família Von Trapp, o filme foi inicialmente ignorado pela crítica, que depois o reconheceu como um dos grandes musicais da história, e abraçado pelo público: foi o filme que tirou “E o Vento Levou” do topo da lista das maiores bilheterias de todos os tempos, onde encontrava-se por quase trinta anos.

Nestes cinquenta anos, a influência de “A Noviça Rebelde” na cultura pop foi palpável. Não que os cinemas tenham sido invadidos por produções com freiras cantoras – “The Singing Nun”, lançado no ano seguinte com Debby Reynolds, foi um fracasso retumbante. Mas as canções do musical, traduzidas para o cinema, se tornaram o motor do sucesso do longa.

A maior prova aconteceu no palco da última cerimônia do Oscar, quando Lady Gaga, despida de sua figura extravagante e armada apenas com sua voz, liderou a homenagem da Academia ao filme --interpretando trechos de clássicos imortalizados no filme, como “The Sound of Music” e “Edelweiss”--, arrancou aplausos emocionados e, ao final, ganhou um abraço sincero da própria Julie Andrews.

Ah, Julie Andrews.... Poucas vezes personagem e atriz combinaram tão bem. Embora ela fosse a primeira escolha de Robert Wise, o estúdio não estava tão certo, mirando em outras artistas como Grace Kelly e Shirley Jones.

“Mary Poppins” ainda não havia sido lançado quando a produção de “Noviça” começou, e Wise, ao lado do roteirista Ernest Lehman, assistiram a trechos do filme na Disney: bastaram alguns minutos para o diretor saber não só que havia encontrado sua estrela, como ela seria uma das maiores do mundo assim que “Poppins” chegasse aos cinemas. E Julie Andrews foi grande, teve uma carreira brilhante, mas sua carreira nunca repetiu o auge de “A Noviça Rebelde”.

Embora tenha estourado no cinema, “A Noviça Rebelde” teve sua aura pop amplificada nos palcos. A produção original de 1959 na Broadway é montada até hoje, com um primeiro revival em Londres em 1981, seguido por um na Broadway em 1998 e um segundo na capital inglesa em 2006 – que terminou contratando uma desconhecida como protagonista, depois que negociações com Scarlett Johansson não tiveram sucesso. Além disso, “A Noviça Rebelde” já teve diferentes montagens por todo o mundo, inclusive no Brasil, com Kiara Sasso e Herson Capri, em 2008 no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Em 1992, “Mudança de Hábito” se tornou o primeiro sucesso no cinema misturando freiras e música – embora de forma radicalmente diferente que “A Noviça Rebelde”. Whoopi Goldberg interpreta uma golpista que, para fugir de trambiqueiros que querem matá-la, refugia-se num convento em Nova York. Sua chegada balança a estrutura hierárquica do lugar, já que ela assume o coral das freiras e cria um grupo vocal, retrabalhando sucessos soul como canções gospel.

O sucesso foi tamanho que Whoopi se viu na posicão de maior estrela do cinema por um par de anos, protagonizando uma continuação feita a toque de caixa e lançada no ano seguinte. Curiosamente, “Mudança de Hábito” fez o caminho inverso de “A Noviça Rebelde” e, agora, é um sucesso nos palcos.

"A Noviça Rebelde" - "Do Re Mi"

Não que “A Noviça Rebelde” fosse um musical em sua concepção. A família Von Trapp verdadeira fugiu da Europa para os Estados Unidos no auge da Segunda Guerra Mundial, e Maria, a matriarca que deixou o convento para se casar com um nobre, publicou sua história em 1949. “A Família Trapp” foi o primeiro filme baseado em sua história, uma produção alemã de 1956 que teve uma continuação dois anos depois.

A versão de Robert Wise com Julie Andrews é inspirada na vida de Maria, mas toma diversas liberdades, alterando a cronologia dos fatos e criando uma história de amor poderosa que, segundo a própria Von Trapp, era mais conveniência que um sentimento real.

A trama, porém, tem o mesmo DNA. Maria é uma noviça que passa a ser governanta da mansão de um nobre, o barão Georg Von Trapp. A educação dos sete filhos do barão, que então era viúvo, se torna leve quando Maria descobre a vocação natural de todos para a música – transformados em um grupo vocal, eles usam o poder da música para fugir dos nazistas.

Quando começou a produção de seu “A Noviça Rebelde”, Wise conversou com Maria e deixou claro que não se tratava de um documentário, e sim uma dramatização de sua história de vida –foi uma cortesia, já que ela havia vendido os direitos de seu livro em 1950 e não tinha poder de veto. Ainda assim, ela surge em uma das cenas do longa ao lado de uma de suas filhas. É a prova que a vida real, por mais fascinante, precisa do tempero da fantasia para criar uma obra eterna.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
Topo