Filmes e séries

Arquette pede igualdade salarial em evento da ONU: "é 2015, não 1915"

Do UOL, em São Paulo

11/03/2015 11h47

Após colocar o feminismo no palco do Oscar 2015, a atriz Patricia Arquette voltou a defender a igualdade de salários entre as mulheres em um evento da ONU na terça-feira (10). Vendedora na categoria de atriz coadjuvante neste ano, por seu papel em “Boyhood”, Arquette alfinetou: “É hora de que parar de forçar as mulheres a pagarem, o que é efetivamente um imposto sobre o gênero. Isto é 2015, não 1915”.

“Empregadores, líderes da indústria, juntem-se a nós para provocar a mudança”, pediu aos presentes do encontro da UN Women, entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gêneros e o Empoderamento das Mulheres, em Nova York. “Nós somos cidadãos, somos eleitoras, nós somos americanas, somos um movimento, e estamos fazendo mudanças para nossas filhas. Nós importamos. Surpresa, América!".

Entre os líderes mundiais e ativistas reunidos, estavam presentes a ex-Secretária de Estado Hillary Clinton, além de Chaka Khan e Jill Scott, que se apresentaram no evento.

Segundo o "The Hollywood Reporter", Arquette fez um discurso empolgante ao voltar a defender a igualdade salarial. A atriz disse que é grata pelo seu trabalho, mas que guarda em si outras verdades.

“Se eu lhe dissesse que eu fui mãe solteira aos 20 anos e vivia com meu bebê em uma garagem convertida em quarto, e que eu me preocuparia com a alimentação do bebê durante a amamentação, porque eu só conseguia comer macarrão com queijo instantâneo por uma semana para que eu pudesse comprar fraldas, isto também seria verdade”, disse.

“Em um estudo analisando a igualdade salarial recente em 142 países, a América se classificou a 65° lugar. As mulheres ganham menos que os homens pelo mesmo trabalho em quase todas as profissões e indústria”, observou.

A atriz de “Boyhood” também salientou que "as mulheres nos Estados Unidos estão sendo sufocada economicamente" e que "a luta é mais opressiva" para as mulheres de cor e da comunidade LGBT.

Durante a premiação do Oscar, Arquette surpreendeu os presentes com o discurso político sobre equiparação de salários e arrancou aplausos da plateia, incluindo um gesto de aprovação da atriz Meryl Streep.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Estadão Conteúdo
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
UOL Cinema - Imagens
redetv
redetv
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
Reuters
Reuters
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
redetv
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Topo