Filmes e séries

Estrela de drama espacial, Sandra Bullock diz que fará comédia "até morrer"

Michael Roddy

De Veneza (Itália)

29/08/2013 21h32

Sandra Bullock telefonou para astronautas na Estação Espacial Internacional para pegar dicas para o seu papel em "Gravidade", drama espacial que estreou nesta semana no Festival de Veneza, mas a "Miss Simpatia" dos EUA garante que jamais irá abrir mão de papéis cômicos.

"Farei comédia até o dia em que eu morrer: comédia inapropriada, comédia engraçada, comédia que mexe com os gêneros, comédia retorcida, qualquer comédia que houver", disse Bullock à TV Reuters na quinta-feira (29).

"Até um programa de TV ruim - se for aí que eu tiver de ir no final das contas, irei se houver comédia", disse ela um dia depois da exibição em Veneza de "Gravidade", filme no qual ela e George Clooney vivem dois astronautas à deriva no espaço depois de terem sua nave atingida por um míssil russo.

Há relatos de que Bullock e Clooney não eram as primeiras escolhas do cineasta mexicano Alfoson Cuarón para esses papéis. Mas a atriz diz que se vingou.

Numa entrevista coletiva de quarta-feira, ela contou que sua preparação para o papel incluiu fazer uma chamada à Estação Espacial Internacional, deixando um recado para os astronautas. Com uma ponta de espanto na voz, ela contou que foi respondida.

TRAILER DO FILME "GRAVIDADE"

"Eu ficava fazendo perguntas idiotas - 'Onde vocês vão ao banheiro?' -, e no final obtive um ponto de vista dessas pessoas que idolatramos, esses astronautas", disse ela.

"E o ponto de vista é que eles se importam com a vida, com a nossa vida e muito com o que eles têm feito com ela - por isso eles estão lá em cima. Mas fiquei realmente honrada por eles terem retornado a minha chamada, e a gente sabe que eles são pessoas normais que fazem coisas extraordinárias."

Ela disse que a filmagem de "Gravidade", precisando passar muito tempo numa caixa iluminada por lâmpadas LED, por causa dos efeitos especiais, foi física e mentalmente desafiadora.

"Não foi um passeio no parque para nenhum dos envolvidos, especialmente Alfonso", disse Bullock.

"Falo da imensa pressão sob a qual ele estava, os técnicos estavam, ninguém sabia se isso funcionaria até o dia em que entrei no primeiro aparelho. Nem eles sabiam se isso iria funcionar tecnicamente ou se o ator no aparelho conseguiria, era uma grande incógnita a cada dia, porque estávamos todos no mesmo barco."

(Reportagem adicional de Mike Davidson)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Estadão Conteúdo
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
UOL Cinema - Imagens
redetv
redetv
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
Reuters
Reuters
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
redetv
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Topo