Filmes e séries

De amigo dos peixes a bad boy: Jason Momoa salva Aquaman do ridículo

Divulgação
Jason Momoa empresta seu charme de bad boy ao Aquaman em "Liga da Justiça" Imagem: Divulgação

Natalia Engler

Do UOL, em Londres (Inglaterra)*

13/11/2017 04h00

Arthur Curry, mais conhecido como Aquaman, nunca foi exatamente o herói mais cool dos quadrinhos. Meio humano, meio atlante, ele desde sempre foi alvo de piadas por falar com peixes, ficar fraco fora da água e ter um polvo como companheiro. E a versão mostrada na série animada “Superamigos” também não ajudou com a fama desse fundador da Liga da Justiça: quem consegue levar a sério um herói que usa golfinhos como jet skis?

Veja também

Por essas e outras, esse personagem aquático criado nos anos 1940 para enfrentar submarinos nazistas virou figura recorrente em comédias. Em um episódio da série “The Big Bang Theory”, por exemplo, Raj reluta em ser o Aquaman quando o grupo de amigos nerds decide se vestir como a Liga da Justiça para uma festa à fantasia, dizendo que o herói “é uma droga”. Em outro, se compara ao herói ao reclamar de só ser lembrado como última opção de companhias pelos amigos -- “Se fôssemos a Liga da Justiça, eu seria o Aquaman”, protesta.

A piada é tão recorrente que executivos da DC cansaram de ser abordados por artistas dizendo que sabiam como “consertar o problema do Aquaman”.

Reprodução
A versão, digamos, menos séria do herói em "Superamigos" Imagem: Reprodução

“Esses dias ficaram para trás, graças a Zack Snyder”, protesta, rindo, Jason Momoa, intérprete da nova versão do personagem em "Liga da Justiça", que estreia nesta quarta (15), quando questionado pelo UOL sobre a fama nada séria de Aquaman.

E ele tem razão. Se o que a DC queria era reinventar o personagem, o ator havaiano de 38 anos, conhecido como o Khal Drogo de “Game of Thrones”, foi a escolha perfeita. Com seu charme de bad boy praiano e visual meio surfista, meio motoqueiro, Momoa está bem longe do herói loiro de malha laranja dos quadrinhos --com a vantagem extra de também adicionar diversidade étnica ao elenco.

Em termos de personalidade, o ator traz para “Liga da Justiça” um Aquaman peculiar, com cara de mau e humor entre o sarcástico e o espirituoso, tudo para esconder seu lado mais vulnerável e seus conflitos internos, algo mais próximo de versões recentes das HQs, como “Os Novos 52”.

“Eu não sei se [a fama dele] vai mudar ou não. Deixe que façam piadas. Quando você vir esse filme, e quando vir 'Aquaman', e conhecer seus poderes, vai perceber isso. Se quiserem tirar sarro, tudo bem. Mas acho que seus poderes são incríveis”, diz o ator. E conclui, rindo: “Todo mundo adora peixes”.

Aquaman
Imagem: Divulgação

Upgrade

Sim, os poderes realmente ganharam um belo upgrade. Saem as conversas com peixes (“É a água que faz a comunicação”, explica Aquaman a um Batman engraçadinho), os golfinhos e polvos. Entra a habilidade de manipular a água, mostrada em uma das cenas com a fotografia mais impressionante do filme.

O próprio Batman, Ben Affleck, também é só elogios à versão repaginada do herói. “Jason fez um trabalho incrível com o personagem. Acho que a Mulher-Maravilha também era um personagem difícil de transformar em algo legal. Se você pensa na Mulher-Maravilha da TV ou do desenho, é uma mulher de maiô com um jato invisível, sabe? E Aquaman é esse cara loiro com uma camisa laranja que fala com peixes”, compara. “São triunfos de bons atores e de diretores que guiaram o tom”.

Divulgação
Este Aquaman senta sem cerimônia no Batmóvel Imagem: Divulgação

Se nos quadrinhos o personagem ganhou um tom mais político na série mais recente, “Renascimento”, visto como uma ameaça estrangeira aos Estados Unidos, no cinema só vamos saber os rumos de sua história no fim do ano que vem, quando estrear seu filme solo, uma história de origem cujas filmagens acabaram há cerca de três semanas, na Austrália.

“Não sei como as coisas vão ficar. Mas sei que dei o meu melhor e acredito que essa é a minha interpretação. Não faço ideia se vão gostar ou não, mas quero que os fãs saibam que isto [Liga da Justiça] é um pequeno intervalo na vida do Aquaman”, conta.

“Terminamos de filmar a origem dele e vocês vão ver por que ele é como é, por que está na Islândia, por que se isolou das pessoas, por que não gosta de pessoas e odeia os atlantes. Não sabemos nada disso ainda. Vocês vão ter que esperar mais um ano e verão como ele era quando criança, quem eram seus pais, e por que ele está tão isolado. Depois de 'Liga da Justiça', vamos ver esse homem que se esconde por trás de tantas coisas se tornar rei e perceber que vai unir dois mundos”, adianta.

* A jornalista viajou a convite da Warner Bros.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Colunas - Flavio Ricco
Reuters
Topo