Filmes e séries

Michael Douglas vive um brilhante pianista gay em "Minha vida com Liberace"

13/09/2013 13h11

O ator e vencedor do Oscar Michael Douglas, acostumado a ser visto vivendo papéis viris, se transforma em um brilhante pianista virtuoso, 100% gay e rei do bling-bling em "Minha Vida com Liberace" (Behind the Candelabra), dirigido por Steven Soderbergh.

Apresentado em competição no Festival de Cinema de Cannes, de onde saiu de mãos vazias, apesar da boa recepção da crítica, o filme estreará nos cinemas de alguns países na próxima quarta-feira após ter aberto o Festival de Cinema americano de Deauville.

No Brasil, a produção deve ser exibida na HBO.

Michael Douglas, com a voz embargada pela emoção, declarou à imprensa em Cannes ser eternamente grato a Steven Soderbergh por ter esperado por ele para fazer este filme. "Foi logo após meu câncer (na garganta). Ele me deu um grande presente com este papel", disse.

"Minha vida com Liberace" conta a história de Wladiu Valentino Liberace - Lee para os mais íntimos -, nascido em 1919. De 1950 até a década de 1970 ele foi o showman mais bem pago dos Estados Unidos, atraindo multidões, especialmente mulheres, para seus shows em Las Vegas ou especiais na televisão.

Um dia, em 1977, ele conheceu o jovem Scott Thorson (Matt Damon). Apesar da diferença de idade e origem social, os dois homens vivem juntos secretamente por cinco anos, até sua separação repentina.

Ainda que o artista impusesse com sucesso sua ousadia, com figurinos chamativos, estava fora de questão na época revelar sua homossexualidade.

Seus assessores, que inventavam supostas relações com mulheres, negaram em sua morte, em 1987, que a Aids havia o levado.

Para entrar no personagem , Michael Douglas conta que ficou ansioso, porque "não tinha o tamanho ou a estatura de Liberace". Ele também assistiu a uma série de documentários sobre este artista para imitar seu estilo de tocar, "porque eu não sou um pianista!"

Lançado apenas na TV

Matt Damon , que tem várias cenas de nu durante o filme, assegura que "não hesitou nenhum instante sequer em concordar em filmar" pela sétima vez com Soderbergh.

E acabar na cama com Michael Douglas? "Eu compartilhei com ele momentos que eu vivi com Sharon Stone, Demi Moore e outras", brincou.

Ao invés de uma "biografia", o cineasta se concentrou em um "período limitado" de sua vida, baseado no livro escrito por Scott Thorson.

Para Soderbegh não era tanto fazer um filme caricatural porque Liberace era "um grande músico". "Queríamos fazer algo realista, íntimo, algo com o qual podemos pensar que havia um vínculo real entre duas pessoas".

O filme mostra em repetidas cenas a "forte pressão" imposta sobre o casal, condenado a esconder seu relacionamento.

"O que me interessava era o personagem Liberace, e não as questões sociais", ressalta o cineasta, reconhecendo, porém, que o filme saiu em um momento crucial para os direitos dos homossexuais, quando 14 países permitem o casamento gay, assim como uma dúzia de estados dos Estados Unidos.

O filme foi produzido pelo canal a cabo americano HBO porque os estúdios estavam assustados com essa história.

O próprio Steven Soderbergh não tinha certeza no início se o filme poderia atrair um público mais amplo do que a comunidade gay , confidenciou ao público da Croisette.

No final, o filme foi lançado nos Estados Unidos apenas na televisão: 11 milhões de telespectadores viram na HBO, de acordo com Soderbergh.

O filme ainda teve indicação do Emmy 2013 de melhor ator coadjuvante para Scott Bakula, que vive um amigo gay que apresenta a personagem de Matt Damon a Liberace.

Para Michael Douglas, isso significa que "a indústria, os estúdios, geralmente não confiam no talento", disse ele a um repórter que lhe perguntou se ele achava que "Hollywood assume menos riscos hoje, do que há uma ou duas décadas".

 

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo