Filmes e séries

Em Cannes, DiCaprio diz que "Gatsby" é uma tragédia americana e defende exuberância da adaptação

Thiago Stivaletti

Do UOL, em Cannes

15/05/2013 10h04

O Festival de Cannes tem uma queda pelo cinema cheio de purpurina do australiano Baz Luhrmann. Doze anos depois de abrir o festival com “Moulin Rouge”, ele voltou a abrir o festival nesta quarta (15) com sua adaptação em 3D de “O Grande Gatsby”, um dos maiores clássicos da literatura americana, escrito por F. Scott Fitzgerald em 1925. É a quarta adaptação do livro para as telas – a última foi estrelada por Robert Redford e Mia Farrow em 1974.

No filme, DiCaprio volta a trabalhar com o diretor 17 anos depois de “Romeu + Julieta”. “Nos EUA, ‘Gatsby’ é leitura essencial na escola. Quando eu era jovem, fiquei entretido e fascinado, mas não peguei o sentido profundo e existencial do livro. Hoje não o vejo como uma historia de amor. É a tragédia desse americano em anos de opulência”, disse o ator. “Gatsby queria ser um grande americano, mas em algum momento perdeu o sentido do que era, e tinha em Daisy sua miragem”.

O ator também defende o estilo exuberante de Baz Luhrmann. “Ele não tem medo de pegar histórias muito clássicas, ancoradas na nossa cultura, e adaptá-las ao seu modo. Não tem medo do risco. Mas está sempre atento em chegar ao coração do drama de cada história”.

Leonardo DiCaprio vive o misterioso magnata que dá as maiores festas em sua mansão perto de Nova York nos anos 1920. Ninguém sabe ao certo a origem de seu dinheiro, e cada um tem uma versão sobre o seu passado.

O certo é que está louco para reencontrar o amor da sua vida, Daisy (Carey Mulligan), uma jovem sofisticada que casou-se com outro homem poderoso. Para isso, ele conta com a ajuda do seu vizinho e primo da moça, Nick Carraway (Tobey Maguire). Luhrmann não economiza no luxo nas cenas de festa – mas a trilha sonora com músicas contemporâneas de Jay-Z, Beyoncé, Lana Del Rey e Florence and the Machine não encaixa muito bem com o visual anos 1920 do filme.

TRAILER DO FILME "O GRANDE GATSBY"

Jay-Z anos 1920
Luhrmann levou dez anos para conseguir levar o livro às telas – a ideia veio quando viajava num trem para Sibéria e ouvia uma versão em audiolivro de “Gatsby”. O filme estreou na última sexta nos EUA e teve boa bilheteria – US$ 51 milhões –, mas recebeu muitas críticas ruins. Luhrmann diz estar acostumado. “Eu fiz ‘Moulin Rouge’, ‘Romeu + Julieta’, ‘Vem Dançar Comigo’. Já esperava por isso. Só me importo que as pessoas estão indo ver o filme”.

Ele também defendeu o uso de uma trilha moderna para uma história escrita há quase 90 anos. “Fitzgerald coloca o jazz, uma música negra, no centro da narrativa. A música negra de hoje é o hip hop.”

Aposentado da franquia do Homem Aranha, Tobey Maguire, que foi recomendado pelo amigo Leonardo DiCaprio a Luhrmann, não poupou elogios ao amigo. “Levamos nosso trabalho a sério, mas também nos divertimos muito. Gosto de assistir e participar do seu processo de mergulho no filme. Ele é um detetive vigilante, que vasculha o livro atrás de cada camada do personagem”.

“O Grande Gatsby” estreia no dia 7 de junho no Brasil.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo